ideias e ações para um mundo melhor

biosphera21

               voltar ao início

na natureza e no tempo (no mundo)
paisagens partilhadas+ensino
estudos das Escrituras
labirintos da alma
na espiral
sobre







Universidade de São Paulo
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo




retornar ensino de pós-graduação, FAU USP






TERRITÓRIOS DE INTERESSE DA CULTURA E DA PAISAGEM (TICPS), AUP5923/2021

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO
FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA USP
ATUALIZADO 21/08/2021

Prof. Resp. Euler Sandeville Junior

como citar:
SANDEVILLE JR., Euler. “Territórios de Interesse da Cultura e da Paisagem (TICPS)”. A Natureza e o Tempo (o Mundo), on line, São Paulo, 2021 . Disponível em http://biosphera21.net.br/0-USP/4-POS-TICP-2021.html, acesso em DIA/MES/ANO.



Temática no segundo semestre de 2021:
URBANIZAÇÃO E POÉTICAS DA MEMÓRIA

URBANIZAÇÃO, HISTÓRIA E POÉTICAS DA MEMÓRIA DAS ESCOLAS NO TERRITÓRIO JARAGUÁ PERUS ANHANGUERA: PERCURSOS, ICONOGRAFIA E DOCUMENTAÇÃO [c. 1970 a 2010]

Professores: Euler Sandeville Junior (Prof. Resp. FAU USP), Professores Colaboradores na disciplina: Cleiton Ferreira (Fofão), Márcio Bezerra, Maria Helena Bertolini, Regina Bortoto (GT de Educação do TICP Jaraguá Perus Anhanguera)

horário: quintas das 18:30 às 22:30, remoto de forma síncrona de 19/08 a 16/12
todos os links abrem em nova janela do navegador ↑



PAISAGENS EDUCATIVAS, PAISAGENS VIVIDAS

A paisagem é pensada como um território educativo, com especial atenção a áreas de vulnerabilidade social, visando favorecer o desenvolvimento humano e social, a valorização local e regional e sua interdependência com outros territórios da cidade e contribuir na construção de modo ativo e criativo de múltiplas estratégias integrativas dos equipamentos sociais ou de movimentos locais.

Há uma preocupação de entender a questão local e regional, buscando a compreensão de suas questões, potencialidades e disputas internas, mas também suas possibilidades de compreensão e interações com outras escalas e regiões do território da cidade. Busca-se formas dinâmicas, inovadoras e participativas para a solução colaborativa e solidária de problemas, inclusive a geração de renda a partir da educação, do conhecimento e do compromisso com o espaço público e a qualidade ambiental.

No ano em que comemoramos o centenário de Paulo Freire a disciplina AUP5923/2021 faz uma seleção temática que pretende homenageá-lo pensando o Território Jaraguá Perus Anhanguera na relação entre educação, território e ambiente como espaço de aprendizagem vivido e transgeracional.

A partir das memórias suscitadas pelos registros fotográficos do acervo de professores e alunos convidados e as poéticas que afloram desse rememorar e narrar, repensamos o lugar da escola no território como um lugar vivido na transformação dessas paisagens e desses tempos em que nos constituímos como sujeitos. Dessa metodologia concebida colaborativamente emerge o conteúdo da disciplina que visa trabalhar com o registro iconográfico como suporte da memória e como constituição de um acervo local, que permita colocar o imaginário em contínua construção na discussão da escola no território nessa região da cidade, como parte de um projeto mais amplo de sua transformação.

Obs: A questão ambiental e processos dialógicos solidários são centrais no processo da disciplina.


Universidade Livre e Colaborativa, aula em março de 2013 no CEU Perus.


PROGRAMA PREVISTO 19/08 a 16/12



MÓDULO 1. FUNDAMENTOS DA DISCIPLINA 19/08 a 02/09

conheça a seção Apoio Didático ↑, com diversas recomendações bibliográficas, muitas para dowload.
Na seção Publicações ↑ você encontra cerca de 60 atrtigos meus já disponíveis para dowload, sobre paisagem, ensino, pandemia (sobre pandemia veja aqui ↑), história e outros temas. No projeto A Natureza e o Tempo (o Mundo) ↑ você encontra uma série de estudos sobre história da cultura e material histórico de apoio, em especial na subseção conceituação ↑ e em "sobre a bervidade do presente" na subseção depois de 1945 ↑


  • aula 1 19/08. Apresentação.

    Leitura indicada:
    SANDEVILLE JR., Euler. A espiral da sensibilidade e do conhecimento (ponto de partida) ↑. São Paulo. Projeto Biosphera21, 2017-2019. Disponível em http://biosphera21.net.br/0-espiral.html
    AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009 [2006]. O que é o contemporâneo? ↑ p 57-73


  • aula 2 26/08. Sobre paisagem, escola e imagem.

    1. A cultura escolar expressa em imagens
    Convidada: Profa. Diana Gonçalves Vidal, professora titular de História da Educação da FE.USP e diretora do Instituto de Estudos Brasileiros-IEB-USP

    Leitura indicada:
    VIDAL, Diana Gonçalves. No interior da sala de aula: ensaio sobre cultura e prática escolares. ↑ Currículo sem Fronteiras, v.9, n.1, pp.25-41, Jan/Jun 2009


    2. Paisagens como experiências partilhadas e produção social
    I Parte: Aspectos conceituais e metodológicos dos estudos das paisagens.
    II Parte: A potencialidade educativa das paisagens. Apresentação: Euler Sandeville.
    Apresentação: Euler Sandeville.

    Leitura indicada:
    SANDEVILLE JR., Euler. Paisagens, uma rápida apresentação. Biosphera21+Instituto da Paisagem, 2020.

    SANDEVILLE JR., Euler. Paisagem ↑ . Paisagem e Ambiente, São Paulo, n. 20, p. 47-59, june 2005. ISSN 2359-5361. Disponível em: . Acesso em: 26 feb. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i20p47-59.
    SANDEVILLE JR., Euler . Paisagens e métodos. Algumas contribuições para elaboração de roteiros de estudo da paisagem intra-urbana ↑Paisagens em Debate, FAU.USP, v. 2, p. 1, 2004.
    SANDEVILLE JR., Euler. Paisagens Partilhadas ↑Paisagem e Ambiente, São Paulo, n. 30, p. 203-214 (2012), june 2012. ISSN 2359-5361. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i30p203-214.

    SANDEVILLE JR., Euler. A paisagem do município como território educativo. In PADILHA, Paulo R.; CECCON, Sheila e RAMALHO, Priscila (Orgs.). Município que Educa: fundamentos e propostas. São Paulo, ED,L, Vol. 1, nov., 2010.


  • aula 3 02/09. Resistência não-violenta e os Queixadas.

    Convidado: Salvador Pires (Ação Operária Católica-AOC, presidente da Frente Nacional do Trabalho-FNT)

    Leitura indicada:
    A “Escola Queixada”: Resistência não Violenta e Firmeza Permanente. O que é a não-violência. In JESUS, Mário Carvalho de. Cimento Perus. 40 anos de ação sindical transformam velha fábrica em centro de cultura municipal. São Paulo, Cadernos para Mudar 2, JMJ, 1992, p. 93-109. Disponível em http://biosphera21.net.br/APOIO-SAOPAULO/TICP-JP/DOCUMENTOS/1992-cadernosparamudar2-naoviolencia.pdf ↑

    Na página de 2018 da disciplina AUP5883 Paisagens Contemporâneas: Contracultura e Resistẽncia ↑ você encontra algum material sobre Não-Violência em quatro aulas: 10/04-Desobediência Civil, 08/04-Resistência Não Violenta: Tosltoi e Gandhi, 22/05-O Mundo do Pós-Guerra e a Resistência Não Violenta nos EUA: Martin Luther King e 05/06-Nosso Terceiro Mundo do Pós-Guerra e a Resistência Não Violenta: São, São Paulo, Meu Amor - Resistência Não Violenta, Sindicalismo e Teologia da Libertação, além de um material rico sobre outras temáticas contemporâneas.



MÓDULO 2. POÉTICAS E MEMÓRIAS 09/09 a 07 ou 14/10

Memórias das escolas de Jaraguá Perus Anhanguera a partir de convidados + leitura de Pedagogia da Autonomia
  • aula 4 09/09. Poéticas e memórias das escolas - percurso das escolas no território 1.

    Apresentação: Cleiton Ferreira (Fofão), Márcio Bezerra, Maria Helena Bertolini, Regina Bortoto (GT de Educação do TICP Jaraguá Perus Anhanguera)

    Leitura indicada:
    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. Capítulo 1: Não há docência sem discência

  • aula 5 16/09. Poéticas e memórias das escolas - percurso das escolas no território 2: EMEF Paulo Prado.

    Convidados:
    Sueli Aparecida Bugana. Psicologa/ Pedagoga/ Pos-graduada em docência do ensino superior. Atuou na Secretaria Municipal do Bem Estar Social (22 anos) e EMEF Paulo Prado, onde foi diretora (18 anos), aposentada.
    Sarah Cazella. Pedagoga / Pós graduada em Psicopedagogia Institucional. Atuação: EMEF Paulo Prado - Professora POED (Coordenadora Pedagógica designada entre fev e jul de 2021).

    Leitura indicada:
    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. Capítulo 2: Ensinar não é transferir conhecimento

  • aula 6 23/09. Poéticas e memórias das escolas - percurso das escolas no território 3: EMEF Raul Pompéia e EMEF Júlio de Oliveira.

    Convidados:
    Silmar Leila dos Santos. EMEF Raul Pompéia
    Adriano Pinheiro. Letras; Pedagogo/Arte-Educador/doutorando e mestre em educação. Atuação: EMEF Júlio de Oliveira- coordenador pedagógico
    Eunice da Mota Brito. Letras; Pedagoga/Pós-graduada em Gramática e Texto da Língua Portuguesa. Atuação: EMEF Júlio de Oliveira- Professora POED - Professora de Educação Digital

    Leitura indicada:
    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. Capítulo 3: Ensinar é uma especificidade humana

  • aula 7 30/09. Poéticas e memórias das escolas - percurso das escolas no território 4: EMEF Jairo de Almeida/EMEF Jardim da Conquista e EMEF Estação Jaraguá.

    Convidados:
    Márcio Bezerra. Geografio e Pedagogo. Atuação: Professor e Diretor de Escola aposentado. Ativista de Movimentos Sociais.
    Robson Novaes da Silva. Mestre e Doutor em Geografia Humana. Diretor de Escola; Atualmente atuando na EMEF Estação Jaraguá.

    Leitura indicada:
    FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.



Foto Marcio Bezerra. Abraço de alunos das EMEF Jairo de Almeida e EMEF Jardim da Conquista, no projeto Recanto Verde Limpo e Saudável, pedindo à população que não fosse mais depositado lixo nas calçadas das escolas.



MÓDULO 3. OFICINAS COM OS PARTICIPANTES 14 ou 21/10 a 25/11

  • aula 08 07/10. Percurso das escolas no território 5.

    O Núcleo de Ação Educativa - NAE e a pedagogia freiriana no território noroeste.
    Convidada: Olga Kalil Figueiredo. Professora aposentada do ensino fundamental I. Integrante do Coletivo Paulo Freire.

    Escola memória e território
    Convidada: Sueli Angelo Furlan.Graduada em Ciências Biológicas – IBUSP. Cursou Geografia_FFLCH-USP. Mestrado e Doutorado em Geografia Física USP, Pós-Doutorado na Universidade de Cádiz UCA Espanha. Professora do Departamento de Geografia da FFLCH USP e do Programa de Ciência Ambiental USP, Chefe do Departamento de Geografia FFLCH-USP, Coordenadora do Núcleo de Estudos de Populações Humanas e Áreas Úmidas - NUPAUB - USP.


  • aula 09 14/10. Percurso das escolas no território 6.

    Memória e imagem.
    Apresentação: Euler Sandeville

    Leitura indicada:
    a indicar


    Atividade de organização das equipes


  • Início das oficinas de memórias das escolas no território e suas potencialidades no período estudado com alunos, convidados e professores:

  • aula 10 21/10. Oficinas de memórias das escolas e suas potencialidades no território 1.

  • [28/10. Recesso. Trabalhos em equipe]

  • aula 11 04/11. Oficinas de memórias das escolas e suas potencialidades no território 2.

  • aula 12 11/11. Oficinas de memórias das escolas e suas potencialidades no território 2.

  • aula 13 18/11. Oficinas de memórias das escolas e suas potencialidades no território 2.

  • [25/11. Trabalhos em equipe: organização do trabalho a ser entregue]
  • [02/12. Trabalhos em equipe: organização do trabalho a ser entregue]


MÓDULO 4. SEMINÁRIOS E ENCERRAMENTO 25 a 16/12

Seminários, TICP Jaraguá Perus Anhanguera, construindo imaginários, um futuro emergindo vivo respeitando seu passado 09 e 12/12



A disciplina adota a estratégia de uma oficina aberta à contribuição de professores e funcionários das escolas da região que desejem comprometer-se com os princípios de trabalho, devendo chegar a um trabalho final integrado de todos os participantes, esperando-se realizar debates públicos desse processo e seus resultados. O material produzido na disciplina será disponibilizado sob licença Creative Commons. Espera-se que os trabalhos permitam integrar capítulos de um livro.

Não haverá aula nos dias 28/10 (recesso) e 25/11 + 02/12 (reservado para fechamento dos trabalhos das equipes).


EIXOS DE CONTEÚDO (ATRAVESSANDO AS ATIVIDADES DA DISCIPLINA)

  • Paisagem Partilhada. Resistência não violenta. Territórios Educativos, Territórios Culturais. Interpretação da cidade, da paisagem e do ambiente pelo vivido.
  • Desenvolvimento humano e social. Memória, afetividade e a paisagem como espaço vivido; construção colaborativa de conhecimentos. Iconografia, memória, conhecimento e imaginação da realidade.
  • O Museu Territorial e outros projetos no TICP. Estruturas urbanas e ambientais, suas interações escalares e qualidade de vida.
  • Processos colaborativos de transformação do território. Potencialidades culturais, educacionais e turísticas, geração de renda local e políticas públicas integradas.

Esses conteúdos serão suscitados organicamente no decorrer da disciplina até seu termo. Veja aqui a proposta da disciplina em 2019 ↑


REFERÊNCIAS BÁSICAS PARA A DISCIPLINA


PRINCÍPIOS PARA A DISCIPLINA



Ver também http://biosphera21.net.br/1-ESPIRAL-amadurecimento.html ↑












Aprender entre outros, uns com os outros, para gerar ideias de ações melhores para o Século 21.



Animação de Euler Sandeville, provável 2001


O mundo que ajudarmos a construir, sabendo disso ou não, é aquele em que viveremos.
O mundo não será diferente das atitudes que tomamos.





^ retornar ao início da página


espiral da sensibilidade e do conhecimento
uma proposta de Euler Sandeville Jr.







contato ↑
licença ↑